Características socioeconômicas da região do extremo sul catarinense: uma análise entre o rural e o urbano

Dimas de Oliveira Estevam, Tiago Pereira Jorge, Giovana Ilka Jacinto Salvaro

Resumo


O presente artigo discute características socioeconômicas dos municípios da AMESC (Associação dos Municípios da Região do Extremo Sul Catarinense) com enfoque nos aspetos rurais e urbanos, a fim de identificar possíveis predominâncias. Para isso, apresenta-se a discussão teórica que procura caracterizar o rural e o urbano, na atualidade, em diferentes perspectivas. O artigo tem como objetivo analisar se a AMESC se caracteriza como uma Região rural e/ou urbana. A metodologia utilizada foi a descritiva documental baseada em dados estatísticos disponíveis nas seguintes bases: IBGE, IPEADATA, SIDRA e relatórios do movimento econômico da AMESC. Os resultados da pesquisa sobre aspectos sociais, baseadas no grau de instrução e média de idade sinalizam que os mesmos estão abaixo dos apresentados pelos dados estaduais e nacionais. Em relação aos aspectos econômicos, os números contidos no valor adicionado, demonstram a forte dependência econômica do setor primário (agropecuário) em comparação aos demais setores da economia (indústria e comércio), tendo nas culturas do arroz, fumo e aves. Conclui-se, com base nas informações coletadas, tanto no aspecto social quanto no econômico que a região da AMESC, os aspectos predominantes são os rurais.

Palavras-chave


Rural, Urbano, Desenvolvimento regional; AMESC

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, R. O futuro das regiões rurais. Porto Alegre: editora da UFRGS, 2003.

_______. Paradigmas do capitalismo agrário em questão, Campinas: UNICAMP, 2006. AMESC. Associação do Extremo Sul Catarinense, 2010. Disponível em:. Acesso em: 20 mai. 2012.

_______. Relatório de movimento econômico. Araranguá: Mimeo, 2012.

BIAZZO, P. P. Campo e rural, cidade e urbano: distinções necessárias para uma perspectiva crítica em geografia agrária. 4º Encontro Nacional de Grupos de Pesquisa ENGRUP, São Paulo, p. 132-150, 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 mai. 2012.

BLUME, R.Território e ruralidade: a desmistificação do fim do rural. 2004, 179 f. dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural) UFRGS, Porto Alegre. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/diaadia/diadia/arquivos/File/conteudo/artigos_teses/2010/Geografia/dissertacoes/disserta_territorio.pdf > Acesso em: 20 mai. 2012.

CARNEIRO, M. J. “Rural” como categoria de pensamento. Ruris, Campinas, v.2, n.1, p.9-38, 2008. Disponível em:< http://www.ifch.unicamp.br/ceres/2008-maria_carneiro.pdf>. Acesso em: 11 set.2012.

GRAZIANO DA SILVA, J. O novo rural brasileiro. O novo rural brasileiro, 2.ed.rev. Campinas, SP: UNICAMP.IE, 1999.

_______. Velhos e novos mitos do rural brasileiro. 15 (43), 2001. Disponível em: Acesso em: 20 mai. 2012.

IBGE. Banco de dados agregados-SIDRA, 2010. Disponível em: Acesso em: 20 mai. 2012.

IBGE. IBGE cidades, 2010. Disponível em: Acesso em: 20 mai. 2012.

IPEA. Banco de dados do IPEADATA. Disponível em: . Acesso em: 20 mai. 2012.

SANTOS, M. A urbanização brasileira. 4 ed. São Paulo: Hucitec, 1998.

VEIGA, J. E. Cidades imaginárias. 2 ed. Campinas, SP: Autores associados, 2003.

_______. O Brasil rural ainda não encontrou seu eixo de desenvolvimento, v.15 n.43. São Paulo, set./dez. 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v15n43/v15n43a10.pdf. Acesso em: 20 mai. 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Rev. NECAT, ISSN 2317-8523, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.