Impactos da Covid-19 sobre o setor de serviços no Brasil e em Santa Catarina nos primeiros oito meses de 2020

Lilian de Pellegrini Elias, Mateus Victor Fronza, Lauro Mattei

Resumo


O setor de serviços é o maior componente do Produto Interno Bruto (PIB), seja do Brasil ou de Santa Catarina, chegando a patamares de 60% a 70%, respectivamente. Com ganhos de participação ao longo dos anos, em detrimento da tendência de desindustrialização brasileira, ele assume a função de setor responsável por absorver a mão de obra de baixo custo e baixa produtividade nas atividades tradicionais, carregando consigo um histórico de setor de baixa formalização do mercado de trabalho. Dentro da análise desagregada dos seus subsetores componentes, no que se refere aos efeitos da pandemia de COVID-19, percebe-se que quase todos tiveram resultados com tendência de queda ao longo dos últimos meses (principalmente entre abril e maio) e leves recuperações (de maneira desigual) entre junho e agosto. No entanto, em sua grande maioria, seja nacionalmente ou em Santa Catarina, os resultados são inferiores aos mesmos meses de anos anteriores e negativos no acumulado do ano. Apesar desses subsetores serem tão diferentes entre si – o que configura os serviços como um setor heterogêneo – o fator comum entre eles é que são dependentes da presença física de público. Assim, o isolamento social, ao determinar a parada das atividades não essenciais, atingiu de forma expressiva o setor. Desta forma, os impactos da pandemia no setor de serviços em termos de perda de emprego e de renda das pessoas, diante de um cenário em que a pandemia poderá prosseguir por tempo ainda indeterminado, permitem conjecturar que a recuperação da crise brasileira não será uma tarefa fácil, pelo menos no curto prazo.

Palavras-chave


Setor de serviços; pandemia; COVID-19; Brasil; Santa Catarina

Texto completo:

PDF

Referências


ARBACHE, J. Produtividade no Setor de Serviços. In: DE NEGRI, F.; CAVALCANTE, L. R. (Orgs.). Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes. Brasília: IPEA, vol. 2, 2006. p. 277-300.

IBGE. Pesquisa Mensal de Serviços. Série Relatórios Metodológicos. 2 ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2020a.

______. Sistemas de Contas Nacionais. Rio de Janeiro: IBGE, 2020b.

______. Serviços crescem 2,6% em julho, mas ainda não recuperam perdas da pandemia. 2020. Disponível em: https://bit.ly/37RBoEn. Acesso em: 25 set. 2020c.

IBRE. Sondagem de Serviços: outubro. Rio de Janeiro: FGV, 2020. 3 p. Disponível em: . Acesso em: 29 out. 2020.

HEINEN, V. L; MATTEI, L. H. Quem foram os trabalhadores mais atingidos pela crise associada à pandemia da Covid-19 em Santa Catarina? 2020. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2020.

DE SOUZA, K. B.; BASTOS, S. Q. A.; PEROBELLI, F. S.. Multiple trends of tertiarization: A comparative input–output analysis of the service sector expansion between Brazil and United States. In: EconomiA, v.17, n. 2, 2016, p. 141-158.

PAIVA, Paulo de Tarso A.P. Cinquenta anos de crescimento populacional e absorção de mão-de-obra no Brasil: de 1950 a 2000. In: Revista brasileira de estudos de população, v. 3, n. 1, p. 63-86, 1986.

PANDIT, K.; CASETTI, E., The shifting patterns of sectoral labor allocation during development: developed versus developing countries. In: Journal Annals of the Association of American Geographers, v. 79, n. 3, 1989.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Rev. NECAT, ISSN 2317-8523, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.