Impactos da Covid-19 sobre o mercado formal de trabalho em Santa Catarina até setembro de 2020

Lauro Mattei, Vicente Loeblein Heinen, Maria Eduarda Munaro

Resumo


O objetivo desse artigo é analisar os impactos da Covid-19 no mercado formal de trabalho de Santa Catarina em 2020 à luz do comportamento do emprego formal no país. Para tanto, foram utilizadas informações do Novo Caged, separadas em três períodos distintos: antes do início da pandemia, durante a fase aguda da pandemia e no período de recuperação das atividades econômicas. Esses dados foram analisados a partir dos seguintes quesitos qualitativos: grupamentos de atividades, sexo, faixa etária e grupamento ocupacional dos trabalhadores. As principais conclusões indicam que, tanto no Brasil como em Santa Catarina, os setores mais afetados foram os de comércio; alojamento e alimentação; transportes, armazenagem de cargas e correios; e serviços administrativos, enquanto o setor da indústria de transformação, que havia sido fortemente afetado na fase aguda da pandemia, apresentou o melhor desempenho na retomada das atividades econômicas. Além disso, as mulheres foram as mais afetadas durante a pandemia, sendo também as mais prejudicadas no período de recuperação, quando a maior parte das vagas foi destinada aos homens. Finalmente, o emprego dos jovens foi mais afetado durante a fase mais aguda da pandemia, porém recuperado no período de retomada das atividades, enquanto as pessoas mais idosas sofreram maiores restrições para permanecer no mercado de trabalho.

Palavras-chave


Brasil; Santa Catarina; Covid-19; mercado formal de trabalho

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. E. et al. Substituição da captação dos dados do Caged pelo eSocial: implicações para as estatísticas do emprego formal. 2020. Disponível em: .

BARBOSA, A. L. N. H.; COSTA, J. S.; HECKSHER, M. Mercado de trabalho e pandemia da Covid-19: ampliação de desigualdades já existentes? IPEA/DISOC, 2020. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2020.

CACCIAMALI, M. C. Desgaste da legislação laboral e ajustamento do mercado de trabalho brasileiro nos anos 90. In: POSTHUMA, A. C. Abertura comercial e ajuste no mercado de trabalho no Brasil, São Paulo: Ed.34, 1999, p. 207-232.

CARDOSO JR, José Celso. Crise e desregulação do trabalho no Brasil. In: Tempo Social, USP, São Paulo, v. 13, n. 2, p. 31-59, nov/2001.

CHAHAD, J. P. Z. Mercado de trabalho: conceitos, definições e funcionamento. In: FILHO, F. M. M. (Org.) Manual de Economia. São Paulo: Saraiva, 1999.

HEINEN, V. L.; MATTEI, L. Primeiros impactos da crise da Covid-19 no mercado de trabalho catarinense. 2020. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2020.

KREIN, J. D. et al. Flexibilização das relações de trabalho: insegurança para os trabalhadores. In: Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, n. 52, 2018, p. 41-66.

MATTEI, L.; HEINEN, V. L. Impactos da crise da Covid-19 sobre o mercado de trabalho brasileiro. Revista de Economia Política, v. 40, n. 4, out-dez/2020, p. 647-668.

MATTOS, F. A. M. Avanços e dificuldades para o mercado de trabalho. In: Revista Estudos Avançados, v. 29, n. 85, dez/2015, p. 69-85.

MATTOSO, Jorge. O Brasil desemprego. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1999.

NOVO CAGED. Painel de informações do Novo Caged. 2020. Disponível em: . Acesso em: 31 out. 2020.

RAMOS, Lauro. A evolução da informalidade no Brasil Metropolitano. In: Textos para Discussão, Rio de Janeiro: IPEA, nº 914, 2002.

SEPRT – Secretaria Especial de Previdência e Trabalho. Resumo Executivo: Divulgação das estatísticas mensais do emprego formal. 2020. Disponível em:.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Rev. NECAT, ISSN 2317-8523, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.