Economia compartilhada/economia solidária: interfaces, continuidades, descontinuidades

Armando de Melo Lisboa

Resumo


O texto discute o fenômeno da Economia Compartilhada na sua interface com o conceito de Economia Solidária e as redes de ecosol que a expressam, buscando aproximar estes campos que, apesar de suas coetâneas trajetórias e óbvias afinidades, aparentemente caminham em paralelo com perspectivas assintóticas. Para tal, problematiza os conceitos de autogestão, solidariedade, infocapitalismo e redes cibernéticas.

Palavras-chave


Economia Compartilhada; Economia Solidária; Autogestão; Infocapitalismo; Solidariedade.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, R. (2014). A economia híbrida do século XXI. In: Costa; Agustini (org.). De baixo para cima. São Paulo: Aeroplano.

AKERLOF, G.; Shiller, R. (2016). Pescando tolos. A economia da manipulação e fraude. Rio de Janeiro: Alta Books.

AXELROD, R. (2006). The evolution of cooperation. Cambridge: Basic Books.

BARBROOK, R (2009). Futuros imaginários. São Paulo: Peirópolis.

BASTIDAS-DELGADO, O. (2015). Identidad cooperativa, fracaso gubernamental y falso cooperativismo. El caso venezolano. In: ELGUE, Mario C., comp. La economía social del siglo XXI. Buenos Aires: Corregidor.____ (2015). Hacia uma politica de Estado para la economia social y las cooperativas venezolanas como ejes de um modelo de desarrollo basado em la cooperación. Disponível em: . Acesso em: 19 jun. 2017.

BENKLER, Y (2009). The wealth of networks. New Haven; London: Yale University Press.

BOUTANG, Y. (2011). “Wikipolítica e economia das abelhas”. In: MACIEL; ALBAGLI (orgs.). Informação, conhecimento e poder. Rio de Janeiro: Garamond.

BOWLES, S. (2016). The moral economy. New Haven; London: Yale Un. Press.

CARR, N. (2011). A geração superficial. O que a internet está fazendo com os nossos cérebros. Rio de Janeiro: Agir.

CASTELLS, M. (2000). A Sociedade em rede. A era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 2000. v. 1.

_________ (2013). Redes de indignação e esperança. Rio de Janeiro: Zahar.

_________ (2015). O poder da comunicação. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

CORAGGIO, J., org. (2016). Economía social y solidaria en movimento. Los Polvorines: Universidad Nacional de General Sarmiento.

DOWBOR, L. (2016). Articulações em rede na era do conhecimento. In: JUNQUEIRA;

CORÁ, orgs. Redes sociais e intersetorialidade. SP: Tiki B.

ESCOBAR, A. (2016). Autonomía y diseño. Popayán: Universidad de Cauca.

FUKUYAMA, F. (1996). Confiança. Rio de Janeiro: Rocco.

GANSKY, L. (2015). Mesh. Porque o futuro dos negócios é compartilhar. Rio de Janeiro: Alta Books.

GORZ, A. (2005). O imaterial. São Paulo: Annablume. 30

HAN, B. (2015). Sociedade do cansaço. Petrópolis: Vozes.

HARDT, M.; NEGRI, A. (2001). Império. São Paulo: Record.

________________ (2016). Bem estar comum. São Paulo: Record.

HIMANEN, P. (2001). A ética dos hackers e o espírito da era da informação. Rio de Janeiro: Campus.

HOWE, J. (2009). O Poder das Multidões. Rio de Janeiro: Campus.

INGLEHART, R. (1977). The silent revolution: changing values and political styles. Princeton: Princeton Univ. Press.

KELLY, K. (1999). Novas regras para uma nova economia. Rio de Janeiro: Objetiva.

KELLY, M. (2016). Capitalismo alternativo e o futuro dos negócios. São Paulo: Cultrix.

LÉVY, P. (1996). O que é o virtual? São Paulo: Editora 34.

LIPOVETSKY, G. (2007). A felicidade paradoxal. Ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo: Cia. das Letras.

LISBOA, A. (2005). Economia solidária e autogestão: imprecisões e limites. In: RAE, v. 45, n. 3. Disponível em: . Acesso em: 19 jun. 2017.

_________ (2014). De América a Abya Yala – semiótica da descolonização. In: Revista Educação Pública, v. 23, n. 53/2.

LORDE, A. (1988). “Las herramientas del amo nunca desarmarán la casa del amo”. In: Moraga; Castillo (ed.). Esta puente, mi espalda. San Francisco: Ism Press.

MASON, P. (2017). Pós-capitalismo. São Paulo: Cia. das Letras.

MORIN, E. (2013). A via para o futuro da humanidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

OSTROM, E. (2003). The commons in the new millennium. Cambridge: MIT Press.

PARENTE, A. (1993). “Os paradoxos da imagem-máquina”. In: Parente, org. Imagemmáquina. A era das tecnologias do virtual. Rio de Janeiro: Editora 34.

PEBORGH, E. (2013). Redes. O despertar da consciencia planetária. São Paulo: DVS.

PIKETTY, T. (2014). O capital no século XXI. Rio de Janeiro: Intrínseca.

PINTO, A. (2005). O conceito de tecnologia. Rio de Janeiro: Contraponto (2 vol.). 31

POLANYI, K. (1977). The livelihood of man. New York: Academic, 1977.

PORTER, M.; KRAMER M. (2011). Creating shared value. In: Harvard Business Review, jan/fev. Disponível em: . Acesso em: 19 jun. 2017.

RIFIOTIS, T.; MÁXIMO, M.; LACERDA, J.; SEGATA, J., orgs. (2010). Antropologia no ciberespaço. Florianópolis: UFSC.

RIFKIN, J. (2001). A era do acesso. São Paulo: Makron Books.

______ (2010). La civilización empática. Barcelona: Paidós.

______ (2015). Sociedade Com Custo Marginal Zero. São Paulo: M. Books.

SCHOLZ, T. (2016). Cooperativismo de plataforma. São Paulo: Elefante.

SEN, A. (2011). A ideia de justiça. São Paulo: Cia. das Letras.

SENNETT, R. (2012). Juntos. São Paulo: Record.

SHIRKY, C. (2011). A cultura da participação. Rio de Janeiro: Zahar.

SHIVA, V. (2005). Biodiversidade, direitos de propriedade intelectual e globalização. In: SANTOS (org.). Semear outras soluções. Rio de Janeiro: C Brasil.

SILVA, S. (2017). Análise das dimensões socioestruturais dos empreendimentos de economia solidária no Brasil. Brasília: IPEA.

SILVEIRA, S. A. (2012). Redes cibernéticas e a reconfiguração da biopolítica. In: COCCO;

ALBAGLI (orgs.). Revolução 2.0. Rio de Janeiro: Garamond.

SINGER, P. (2012). Os oito primeiros anos da SENAES. In: LIANZA; HENRIQUES (orgs.). A economia solidária na América Latina. Rio de Janeiro: UFRJ.

SINGER, P.; SCHIOCHET, V. (2016). La construcción de la economía solidaria como alternativa al capitalismo. In: CORAGGIO, J., org. (2016). Economía social y solidaria en movimento. Los Polvorines: Universidad Nacional de General Sarmiento.

TAKAHASHI, T., ORG. (2000). Sociedade da informação no Brasil: livro verde. Brasília: Ministério da Ciência e Tecnologia.

TAPSCOTT, D.; WILLIAMS, A. (2007). Wikinomics. Como a colaboração em massa pode mudar o seu negócio. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

TODOROV, T. (2002). Memória do mal, tentação do bem. São Paulo: Arx.

UNGER, R. (2010). A reinvenção do livre-comércio. Rio de Janeiro: FGV.

UTTING, P., ed. (2015). Social and Solidarity Economy. Beyond the Fringe. London: Zed Books.

YUNUS, M. (2008). Um mundo sem pobreza. A empresa social e o futuro do capitalismo. São Paulo: Ática.

VIRILIO, P. (1999). A bomba informática. São Paulo:


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Rev. NECAT, ISSN 2317-8523, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.