Vulnerabilidade social e juventude em Santa Catarina

Ivo Marcos Theis, Jamile Delagnelo Fagundes da Silva, Diego Boehlke Vargas

Resumo


O presente artigo é resultado parcial do projeto de pesquisa “Educação e desenvolvimento desigual: a problemática da vulnerabilidade social entre os jovens de Santa Catarina”, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional da Universidade Regional de Blumenau. O objeto principal de investigação está na relação entre educação e desenvolvimento, com ênfase nos indicadores educacionais, especialmente aqueles levantados pelo INEP, além de outros diretamente relacionados à problemática da vulnerabilidade social que acomete os jovens catarinenses. Especificamente, procurou-se examinar a violência que acomete os jovens de Santa Catarina e sua vinculação com as desigualdades sócio-espaciais; compreender a relação entre a educação (evasão escolar) e a vulnerabilidade social (violência); verificar a influência da necessidade de inserção dos jovens em Santa Catarina no mercado de trabalho sobre a evasão escolar; analisar o fluxo escolar de alguns jovens em situação de vulnerabilidade social nas regiões de Santa Catarina mapeadas, jovens que serão selecionados por amostragem, a fim de estabelecer um estudo comparativo das possíveis relações entre educação e desenvolvimento. Quanto aos métodos de procedimentos utilizou-se a pesquisa bibliográfica documental com base no levantamento de bibliografias e de dados estatísticos sobre o objeto de investigação proposto. Também foi realizado o acompanhamento e a avaliação do fluxo escolar de alguns jovens catarinenses que vivem em situação de vulnerabilidade social. Uma das perspectivas adotadas aqui é que a educação trata-se direito fundamental inserido em normas do ordenamento jurídico nacional e internacional, as quais consistem em acesso à instrução educacional com vistas a estimular desenvolvimento enquanto cidadão apto a exercer seus direitos na sociedade. Contudo, a privatização do ensino público faz coexistir na educação a mesma lógica que existente no mercado. Isto é, aquelas desigualdades observadas nos setores produtivos habitam, agora, também, os ambientes de ensino. No Estado de Santa Catarina esta dinâmica não é diferente: a transformação do setor de ensino perpassa pela por sua desconexão da lógica capitalista de produção. Alternativas ao atual modelo educacional precisam ser constantemente reinventadas. Uma delas talvez esteja na educação intercultural, a qual procura construir as identidades dos sujeitos e o reconhecimento das diferenças de forma crítica e solidária

Palavras-chave


Desenvolvimento; Educação; Juventude; Santa Catarina; Vulnerabilidade Social

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, Miriam. Juventude, violência e vulnerabilidade social na América Latina: desafios para políticas públicas Brasília : UNESCO, BID, 2002.

AKKARI, Abdejalil. Internacionalização das políticas educacionais: transformações e desafios. Petrópolis: Vozes, 2011

CURY, C. R. J. Direito à educação: direito à igualdade, direito à diferença. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 116, p. 245-262, jul., 2002.

GARCIA, E. O direito à educação e suas perspectivas de efetividade. Revista Forense, Rio de Janeiro, v. 383, p. 83-112, 2006.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: http://sidra.ibge.gov.br/cd/defaultcd2010.asp?o=4&i=P. Acesso em: 28 mar. 2014.

LINHARES, M. T. M. O direito à educação como direito humano fundamental. Revista Jurídica da Universidade de Franca, mai., 2007, p. 149-161, 2007.

MARTINS, José de Souza. O poder do atraso: ensaios de sociologia da história lenta. São Paulo: Hucitec, 1994.

MEINERZ, Carla Beatriz; CAREGNATO, Celia Elizabete. Educação e processos de escolarização no Brasil: perspectivas históricas e desafios contemporâneos. Ciências & Letras, Porto Alegre, n. 49, p. 43-62, jan./jun. 2011. Disponível em: . Acesso em 04 mai. 2014.

MÉSZÁROS, István. A Educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2008

ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Organização das Nações Unidas. 2000. Disponível em: http://unicrio.org.br/img/DeclU_D_HumanosVersoInternet.pdf. Acesso em: 10 mar. 2014.

RODRIGUEZ, E. (coord). Relatório de Políticas públicas de/para/com as juventudes. Brasília: UNESCO, 2004.

SPOSITO, Marilia Pontes. Os jovens no Brasil: desigualdades multiplicadas e novas demandas políticas. 2003.

VIGNOLI, J. R. Vulnerabilidad y grupos vulnerables: um marco de referência conceptual mirando a lós jóvenes. Santiago de Chile: CEPAL, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Rev. NECAT, ISSN 2317-8523, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.