Uma análise dos determinantes do trabalho infantil no estado de Santa Catarina

Talita de Souza Mota, Marco Antonio Jorge, Christiane Senhorinha Soares Campos

Resumo


O estudo tem como objetivo analisar a interrelação entre o trabalho infantil e seus determinantes no estado de Santa Catarina. Adotou-se a hipótese de que crianças e adolescente são conduzidas ao trabalho infantil devido à condição de pobreza de suas famílias, bem como pela estrutura familiar presente em seus domicílios onde predomina a baixa escolaridade dos responsáveis e nos quais vem crescendo a chefia feminina. Para tanto, o estudo foi dividido em três seções, além da introdução. Na primeira delas apresentam-se as definições de trabalho infantil e o referencial teórico relacionado ao debate atual acerca do trabalho infantil, seus principais determinantes e a influência que cada um exerce sobre o trabalho precoce. A segunda seção descreve a estratégia empírica, na qual explica-se a construção do modelo, realiza-se uma breve análise descritiva da variável dependente, explicitam-se os procedimentos metodológicos e, por fim, analisam-se os resultados obtidos. A análise empírica foi realizada com o emprego da análise de componentes principais e, posteriormente, do modelo de regressão linear múltipla. Por fim, a última seção elenca as considerações finais, dentre as quais a de que, no geral, os resultados refutam parte das hipóteses adotadas no presente trabalho.

Palavras-chave


Trabalho Infantil; Análise Multivariada de Dados; Santa Catarina

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL, MEC - Ministério da Educação. ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília: Ministério da Educação, 2005.

BRASIL, MTE – Ministério do Trabalho e Emprego. O impacto do trabalho precoce na vida de crianças e adolescentes: aspectos da saúde física e mental, cultural e econômico. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego, 2002. Disponível em: . Acesso em 14 de março de 2015.

BRASIL, MTE – Ministério do Trabalho e Emprego. Plano Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção ao Trabalhador Adolescente. 2º ed. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego, Secretaria de Inspeção do Trabalho, 2011.

CAMPOS, C. S. S. A face feminina da pobreza em meio a riqueza do agronegócio: trabalho e pobreza das mulheres em territórios do agronegócio no Brasil: o caso de Cruz Alta/RS. Buenos Aires. CLACSO. 2011. Disponível em: Acesso em 22 de fevereiro de 2015.

CODES, A. L. M.. A Trajetória do Pensamento Científico sobre Pobreza: Em direção a uma visão complexa. IPEA, Texto para discussão nº 1332. Brasília. 2008. Disponível em: Acesso em 8 de

março de 2015

HAIR JR., F. F., ANDERSON, R. E., TATHAN, R. L., BLACK, W. C. Análise multivariada de dados. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

JORGE, M. A. Capacidade de absorção e qualidade do emprego no setor de serviços.

Tese (Doutorado em Economia de Empresas). EAESP/FGV. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Rev. NECAT, ISSN 2317-8523, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.