Acordos comerciais, economia fechada e Brasil: algumas observações

Ricardo L. C. Amorim

Resumo


Os acordos de livre comércio tem se multiplicado ao redor do mundo, prometendo mudanças nos fluxos econômicos internacionais. E o Brasil tem ficado de fora. Cabe, então, perguntar: a economia brasileira deve ser considerada fechada? Para responder a esse questionamento, o trabalho discute, primeiro, as teses liberais que permitem a muitos economistas defender o livre comércio. Em seguida, apresenta um contraponto que nega ser o Brasil um país avesso às trocas internacionais. O texto defende que economia brasileira já é internacionalizada e, portanto, não será a simples abertura comercial que melhorará o desempenho e a produtividade da estrutura produtiva. O país precisaria, na verdade, reposicionar-se nos fluxos econômicos internacionais, alcançando patamares cada vez mais altos de valor agregado em suas exportações. Isso, no entanto, é uma construção e esta se faz com planejamento e políticas industriais e de comércio exterior integradas

Palavras-chave


Brasil; Comércio exterior; Acordos comerciais; Economia fechada; Economia internacionalizada.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, Manuela K. O desafio do “protecionismo privado” e as regras multilaterais de comércio da OMC. Revista Brasileira de Comércio Exterior. Rio de Janeiro, n. 115, p. 56-79, abr-jun/2013;

AMORIM, Ricardo L.C. Década de 1990: a modernização conservadora do Brasil. Brasília: sd (mímeo);

AMORIM, Ricardo L.C. O emprego no pensamento econômico da CEPAL. 2002. 152 f. Dissertação (Mestrado em Teoria Econômica) – Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002;

AMORIM, Ricardo L.C. Os limites do modelo de crescimento recente. In: Encontro Nacional de Economia Política, XX, 2015, Foz do Iguaçu. Uberlândia: SEP, 2015. Disponível em: http://www.sep.org.br/artigos/download?id=2851 . Acesso: 16/07/2015;

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Censo de Capitais Estrangeiros (resultados 2010-2012). Disponível em: http://www.bcb.gov.br/Rex/CensoCE/port/resultados_censos.asp?idpai=CENSOCE . Acesso em: 04/07/2015;

CANONNE, Amélie e TYSZLER, Johan. Europeus desafiam o livre comércio. Le Monde Diplomatique Brasil. São Paulo, n. 99, p. 18-19, outubro/2015;

CARDOSO, Fernando e FALETTO, Enzo. Dependência e Desenvolvimento na América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004

CASTRO, Lavínia B. Privatização, abertura e desindexação: primeira metade dos anos 1990. In: GIAMBIAGI et al. Economia brasileira contemporânea (1945-2004). Rio de Janeiro: Elsevier, 2005;

CHANG, Ha-Joon, Bad samaritans: rich nations, poor policies, and the threat to the developing world. Londres: Random House Business Books, 2007;

CHANG, Ha-Joon. Chutando a escada: a estratégia do desenvolvimento em perspectiva histórica. São Paulo: Editora UNESP, 2004;

CHESNAIS, François. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1996;

CNI. Coeficiente de penetração. Disponível em: http://www6.sistemaindustria.org.br/gpc/externo/estatisticaAcessoSistemaExterno.faces.

Acesso em: 01/12/2014.

CORONEL, Daniel et al. Política industrial e desenvolvimento económico: a reatualização de um debate histórico. Revista de Economia Política. São Paulo, vol. 34, n. 1, p. 103-119, ja-mar/2014;

CANONNE, Amélie e TYSZLER, Johan. Europeus desafiam o livre comércio. Le Monde Diplomatique Brasil. São Paulo, n. 99, p. 18-19, outubro/2015;

FILGUEIRAS, Luis. História do Plano Real. São Paulo: Boitempo, 2000;

FURTADO, Celso. Criatividade e dependência na civilização industrial. São Paulo: Paz e Terra, 1978;

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil (Edição comemorativa: 50 anos). São Paulo: Companhia das Letras, 2009;

FURTADO, Celso. O Mito do desenvolvimento econômico. São Paulo: Paz e Terra, 1974;

IBRE. O Brasil ainda é uma economia fechada, e isso não é bom para o desenvolvimento. Conjuntura Econômica, Rio de Janeiro, p. 06-09. Novembro de 2013. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rce/article/viewFile/21267/20016 . Acesso em:

/06/2015;

IPEA. Macroeconomia para o Desenvolvimento: crescimento, estabilidade e emprego. Brasília: Ipea, 2010;

IPEADATA. Taxa de câmbio rela e real efetiva. Disponível em: http://www.ipeadata.gov.br/. Acesso em: 01/12/2014;

KRUGMAN, Paul e OBSTFELD, Maurice. Economia Internacional: teoria e política. 5.ed. São Paulo: Makron Books, 2001;

KRUGMAN, Paul. (1981). Intra-industry specialization and the gains from trade. Journal of Political Economy 89(5): p. 959–973.

LELIS, Marcos, CUNHA, Andre e LIMA, Manuela. The performance of Chinese and

Brazilian exports to Latin America, 1994-2009. Revista de la CEPAL, n. 106, p. 55-73, abr/2012;

MDIC/SECEX. Tarifa média e mediana. Disponível em: www.mdic.gov.br-arquivosdwnl_1379082209.pdf . Acesso em: 01/12/2014;

MERHAV, Meir. Dependência tecnológica: monopólio e crescimento. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais (Vértice), 1987;

NUNES, Avelãs. Uma introdução à economia política. São Paulo: Quartier Latin, 2007;

OCDE. Mapping Global Value Chains. Paris: OCDE, 2012. Disponível em: http://www.oecd.org/dac/aft/MappingGlobalValueChains_web_usb.pdf ; Acesso em: 18/09/2014 ;

ORENSTEIN, Luiz e SOCHACZEWSKI, Antonio. Democracia com desenvolvimento: 1956-1961. In: ABREU, Marcelo. A ordem do progresso: cem anos de política econômica republican (1889-1989). Rio de Janeiro: Campus, 1992;

PINHO NETO, Demósthenes. O interregno Café Filho: 1954-1955. In: ABREU, Marcelo. A ordem do progresso: cem anos de política econômica republican (1889-1989). Rio de Janeiro: Campus, 1992;

PINTO, Anibal. Natureza e implicações da „heterogeneidade estrutural‟ da América Latina. In: Bielschowsky, Ricardo. Cinquenta anos do pensamento da CEPAL. Rio de Janeiro: Record, 2000;

PORTER, Michael. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. 15. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1989;

SMITH, Adam. Inquérito sobre a natureza e as causas da riqueza das nações. (volume 1). 2.ed. Lisboa: Fund. Calouste Gulbenkian, 1987;

THORSTENSEN, Vera, FERRAZ, Lucas e MARÇAL, Emerson. Trade rules and Exchange rate misaligments: in search for a WTO solution. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 34, n. 3, p. 370-395, jul-set/2014;

VALLS, Lia. Abertura comercial e tarifas de importação no Brasil. Conjuntura Econômica. Rio de Janeiro, p. 70-75, agosto de 2010. Disopnível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rce/article/download/23525/22832. Acesso em: 01/04/2014;

WILLIAMSON, John. A economia aberta e a economia mundial. 1.ed. Rio de Janeiro: Campus, 1988;

WTO. Comércio exterior sobre PIB. Disponível em: http://stat.wto.org/CountryProfile/WSDBCountryPFHome.aspx?Language=E . Acesso em: 01/12/2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Rev. NECAT, ISSN 2317-8523, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.