Migrações, desruralização, urbanização e violência em Santa Catarina

Juliano Giassi Goularti

Resumo


O objetivo deste trabalho é discutir as migrações no Estado de Santa Catarina no período das últimas décadas. Com base nos dados disponibilizados pelo Censo, é possível relacionar o aumento das migrações com o processo de urbanização e o surgimento da problemática urbana, como por exemplo, a violência que será apresentada através do relatório do Mapa da Violência. Pelos dados, verifica-se que as cidades que apresentam um maior grau de complexidade industrial como Joinville, Blumenau, Florianópolis, Itajaí, Chapecó e seu hinterland são as mais procuradas pelos migrantes e as que mais tiveram crescimento de sua população muito acima da média estadual. Por outro lado, as cidades com menor grau de desenvolvimento perderam população residente. Embora Santa Catarina não seja uma grande metrópole a exemplo de São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Brasília, Fortaleza etc. o Estado não está inerente ao chamado caos urbano.

 

Palavras-chave


Migrações; Urbanização; Santa Catarina.

Texto completo:

PDF

Referências


BAENINGER, R. (2012) Rotatividade Migratória: um novo olhar para as migrações internas no Brasil. Ver. Inter. Mob. Hum., Brasília, Ano XX, Nº 39, p 77-100, jul./dez.

BRITO, F. [et. al] (2012) A mobilidade interestadual da população no Brasil no início do século XXI : mudança no padrão migratório. Belo Horizonte (MG) : UFMG/CEDEPLAR. 26 p. : il. - (Texto para discussão, 465)

CANO, W. (2008) Desconcentração produtiva regional do Brasil 1970-2005. São Paulo (SP) : Ed. UNESP. 294p.

_____________. (2012) Novas determinações sobre as questões regional e urbana após 1980. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, Local de publicação, 13, junho.

DIÁRIO CATARINENSE. Entrevista: Raimundo Colombo, Governador. Florianópolis (SC) : 23/10/2012. Disponível em: . Acesso em: 21 de junho de 2015.

DINIZ, C. (2005). Território e Nação. In: IPEA. Brasil: o Estado de uma Nação. Brasília, IPEA, p. 158-197.

GOULARTI, J. G.(2014) Desenvolvimento Desigual: incentivos fiscais e acumulação em Santa Catarina. Florianópolis (SC) : Ed. Insular, 192p.

____________.(2014b) Um decênio das secretarias de desenvolvimento regional em S. Catarina: o que mudou? VIII Encontro de Economia Catarinense. Data: 08 e 09de maio de 2014. UNIDAVI, Rio do Sul – SC Área Temática: Economia regional e urbana.

INSTITUTO BRASILEIRODE GEOGRAFIA ESTATÍSTICA – IBGE (1991) Censo Demográfico 1991: famílias e domicílios. Resultados das amostras. Rio de Janeiro (RJ) : IBGE, nº 22, p.1-232.

____________. (2000) Censo Demográfico 2000: Características da população. Resultados da Amostra. Rio de Janeiro (RJ) : IBGE, p.1-178.

____________. (2011) Censo Demográfico 2010: Características da população e dos domicílios. Resultados do universo. Rio de Janeiro (RJ) : IBGE, 270p.

____________. (2011b) Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). Rio de Janeiro (RJ) : IBGE, v. 31, p.1-135.

LEFEBVRE, H. (2008) A revolução urbana. – Tradução de Sérgio Martins – Belo Horizonte (MG) : Ed. UFMG, 176p.

MARICATO, E. (2000) As ideias fora do lugar e o lugar fora das ideias: planejamento urbano no Brasil. In: ARANTES, O., VAINER, C. & MARICATO, E. A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis (RJ): Vozes, p. 121-192.

MENEZES, M. L. P. (2000) Tendências atuais das migrações internas no Brasil. Revista Electrónica de Geografia y Ciencias Sociales. Universidad de Barcelona. Nº 69 (45), ago.

SANTA CATARINA. (2013) Cadernos de indicadores: Santa Catarina e suas regiões. Florianópolis (SC) : Diretoria de Planejamento Orçamentário. 189p.

______________. (2014) SC é o Estado com menor taxa de homicídios a cada 100 mil habitantes. Disponível em: < http://www.sc.gov.br/mais-sobre-seguranca-publica/sc-e-oestado-com-menor-taxa-de-homicidios-a-cada-100-mil-habitantes> Acesso em 03 de agosto de 2015.

SILVEIRA, L. H. MOREIRA, E. P. (2002) Plano 15: por toda Santa Catarina. Florianópolis (SC) : Plano de Governo 2003-2006.

WAISELFISZ, J. J. (2014) Mapa da Violência: os jovens do Brasil. Secretaria Geral da Presidência da República; Secretaria Nacional de Juventude; Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. Brasília (DF) : 189p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Rev. NECAT, ISSN 2317-8523, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.