Uma dinâmica assentada na diversificação industrial: a experiência do município de Rio do Sul (SC)

Felipe Anderson França

Resumo


O artigo analisa a estrutura industrial do município de Rio do Sul (SC), que constitui o eixo de dinamismo dessa economia. O estudo é pioneiro por identificar a diversificação da base produtiva do município, além de fornecer uma visão de conjunto da indústria local. São abordados, para tanto, os indicadores de emprego industrial e de arrecadação de ICMS na indústria, segmentados pela Divisão CNAE 2.0. Rio do Sul apresenta uma eloquente experiência, no sentido de sugerir a diversificação industrial como um destacado elemento para a compreensão de dinâmicas econômicas territoriais. Mais do que isso, leva a pensar que essa é uma promissora forma de inserção na dinâmica do capitalismo contemporâneo vinculada à globalização. Com intensa participação dos complexos eletrometalmecânico, vestuarista e alimentar, toma forma o cenário que é observado no presente estudo

Palavras-chave


Diversificação industrial; Desenvolvimento regional; Rio do Sul/SC

Texto completo:

PDF PDF

Referências


ALMEIDA, R. S., RIBEIRO, M. A. C. Análise da organização espacial da indústria brasileira através de uma tipologia de centros industriais. In: Atlas Nacional do Brasil, Cadernos de Geociências (especial), IBGE, p. 61-81. Rio de Janeiro, dezembro de 1991.

BREITBACH, A. C. M. Une dynamique regionale fondee sur la diversification industrielle: l’expérience de la region de Caxias do Sul (Brésil). Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade de Paris, Paris, 2003. 439 p.

____________. A diversificação industrial como fator de crescimento da região de Caxias do Sul. Análise: Revista de Administração da PUCRS. Porto Alegre, v. 18, n. 1, p. 22-35, jan./jun. 2007

____________. Especialização e diversificação nas regiões industriais do Rio Grande do Sul. In: Textos para Discussão FEE nº31. Porto Alegre, junho de 2008.

CARDOSO, A. M. Compêndio histórico e geográfico de Rio do Sul. 1ª Ed. 1984.

CASSIOLATO, J. E., LASTRES, H. (Orgs). Globalização e inovação localizada: experiências de sistemas locais no Mercosul. Brasília: IBICT/MCT, 1999.

CASTRO, A. B. de. A reestruturação industrial brasileira nos anos 90. Uma interpretação. In: Revista de Economia Política, vol. 21, nº 3 (83), p. 3-26, jul.-set. 2001.

FERREIRA, A. H. B., DINIZ, C. C. Convergência entre as rendas per capita estaduais no Brasil. Revista de Economia Política, v. 15, n. 4 (60), outubro-dezembro/1995. p. 38-56.

FIESC, Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina. Santa Catarina em dados. Unidade de política econômica e industrial. Florianópolis, 2013.

HARVEY, D. Condição pós-moderna. São Paulo: Edições Loyola, 1992. 353 p.

IBGE. Censos Demográficos de 2000 e 2010. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, dados referentes ao município de Rio do Sul. 2000; 2010a.

IBGE. Banco de dados agregados. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Sistema IBGE de Recuperação Automática – SIDRA. 2010b. Disponível em: . Data do acesso: 20/12/2013.

IPEA, IBGE, UNICAMP/IE/NESUR, IPARDES. Caracterização e tendências da rede urbana do Brasil: redes urbanas regionais: Sul. Brasília, IPEA. Outubro de 2000, v.6., 206p.

LINS, H. N. Reestruturação industrial em Santa Catarina: Pequenas e médias empresas têxteis e vestuaristas catarinenses perante os desafios dos anos 90. Editora da UFSC. Florianópolis, 2000.

_________. A questão regional na aurora do século XXI: os desafios da globalização. In: Ensaios FEE, v. 22, n. 2, p. 78-101, 2001.

_________. Transformações econômicas e reflexos espaciais no Brasil meridional. In: GONÇALVES, M. F., BRANDÃO, C. A., GALVÃO, A. C. F. (orgs) – Regiões e cidades, cidades nas regiões: o desafio urbano-regional. São Paulo, UNESP. ANPUR, 2003.

_________. A região de aprendizagem como temática e ângulo de observação. In: Nova Economia. Belo Horizonte. nº 17, p. 127-162, janeiro-abril 2007.

MARSHALL, A. Principle of economics: an introductory volume. 8 ed. London: Macmillan, 1979.

PACHECO, C. A. Desconcentração econômica e fragmentação da Economia nacional. In: Economia e Sociedade, Campinas, (6): p. 113-140, jun 1996.

PORTER, M. E. Location, competition, and economic development: local clusters in a global economy. In: Economic Development Quarterly, v. 14, n. 1, fevereiro de 2000. p. 15-34.

RAIS/MTE. Relação Anual de Informações Sociais. Ministério do Trabalho e Emprego – MTE. Financiado pelo Fundo de Amparo ao Trabalhador – FAT. 1985; 1994; 2003; 2012.

RODRIGUES, M. A., MONTEIRO, W. F., CAMPOS, A. C., PARRÉ, J. L. Identificação e análise espacial das aglomerações produtivas do setor de confecções na região sul. In: Economia Aplicada. Ribeirão Preto, v. 16, n.2, junho de 2012. p. 311-338.

SANTA CATARINA. Atlas de Santa Catarina. Gabinete de Planejamento e Coordenação Geral. Subchefia de Estatística, Geografia e Informática. Rio de Janeiro: Aerofoto Cruzeiro, 1986, 173p.

SEF/SC. Estatísticas da arrecadação tributária. Estado de Santa Catarina, Secretaria de Estado da Fazenda, Diretoria de Administração Tributária. 2008; 2009; 2010; 2011; 2012; 2013.

SITITEV, Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Fiação, Tecelagem e do Vestuário de Rio do Sul. Relatório de empresas ativas. 2013.

VALOR ECONÔMICO. Empresas: ranking das 1000 maiores. Valor 1000. Edição 2012. Disponível em: Acesso em: 20/11/2013.

WIKIMEDIA. Santa Catarina, município de Rio do Sul. 2014. Disponível em: Acesso em: 10/01/2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Rev. NECAT, ISSN 2317-8523, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.