O trabalhador do "novo rural" catarinense: uma análise estatística a partir da PNAD de 2011

Janete Leige Lopes, Rosangela Maria Pontili

Resumo


Ao longo da história ocorreram diversas transformações na zona rural, particularmente no que diz respeito ao mercado de trabalho. Uma das mais importantes foi o fenômeno que se tornou conhecido como “Novo Rural” ou “Ruralidade”. Muitas pessoas residentes na zona rural passaram a desempenhar atividades não ligadas ao setor agrícola, um fato que passou a ser denominado de “Pluriatividade”. Assim, com o objetivo de contribuir com o tema, este estudo se propôs a fazer uma análise estatística das características dos trabalhadores que residem na zona rural no Estado de Santa Catarina, mas que desenvolvem atividades não agrícolas. Para tanto, foram utilizados os dados da PNAD - Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 2011. As principais conclusões são: de 571.511 trabalhadores, 43,92% residem na zona rural e desempenham atividades não agrícolas; 36,86% destes trabalhadores concentram-se suas atividades no setor industrial da economia; a maioria é do sexo masculino e o nível de escolaridade predominante é de 9 a 11 anos. No que se refere à renda recebida por estes trabalhadores notou-se que o salário predominante é de 1,0 a 1,5 salários mínimos. Em relação às famílias onde pelo menos um de seus membros desenvolve algum tipo de atividade não agrícola, notou-se que de um total de 443 mil famílias residentes na zona rural, 208 mil dedicam-se somente à atividades agrícolas, 156 mil a atividades não agrícolas e 79 mil famílias possuem membros que desempenham atividades agrícolas e não agrícolas. Percentualmente estes totais representam 47%, 35% e 18%, respectivamente. São estes 18% que a literatura denomina de “famílias pluriativas”. Em vista do exposto, conclui-se que o trabalhador ali inserido tende a estudar mais; tem um rendimento salarial melhor e melhores condições de vida. Porém, é necessário se observar os pontos fortes de cada região, investir em pesquisas locais que estimulassem o interesse de outras pessoas por essa atividade, criando a infraestrutura necessária.

Palavras-chave


novas ruralidades, pluriatividade, Santa Catarina

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, Ricardo. Funções e medidas da ruralidade no desenvolvimento contemporâneo. Texto para Discussão n. 72. IPEA, 1998.

ALENTEJANO, Paulo Roberto R.. Pluriatividade: uma noção válida para a análise da realidade agrária brasileira? In: TEDESCO (org.): Agricultura familiar: realidades e

perspectivas. Passo Fundo: EDIUPF, 1999. 394p.

BALSAN, Rosane. Impactos decorrentes da modernização da agricultura brasileira. Disponível em:

http://www.seer.ufu.br/index.php/campoterritorio/article/viewFile/11787/6900. Acesso em: fev/2013.

CARNEIRO, Maria José Teixeira. Pluriatividade da agricultura no Brasil: uma reflexão crítica. In: A diversidade da Agricultura Familiar. Sérgio Schneider (org.) Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2006. p.165-185.

GRAZIANO SILVA, J. Tecnologia e agricultura familiar. Porto Alegre: UFRGS, 1999.

p.

________. O novo mundo rural brasileiro. Campinas: Unicamp, 2000.

GRAZIANO DA SILVA, J.; DEL GROSSI, M. E. O Novo Rural Brasileiro. Oficina de Atualizações: Ocupações Rurais não Agrícolas, 1998, p. 165-173. Disponivel em:

http://www.iapar.br/arquivos/File/zip_pdf/novo_rural_br.pdf. Acesso em 20/02/2013.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD): Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: http://www.ibge.org.br. Acesso em: 20/02/2013.

KAGEYAMA, A (Coord.). O novo padrão agrícola brasileiro: do complexo rural aos complexos agroindustriais. Campinas: UNICAMP/IE, 1987.

MARTINS, G. de A.; DONAIRE, D. Princípios de estatística. São Paulo: Atlas, 3. ed., 1988.

MEDEIROS, Natalino H. A competição schumpteriana e a organização cooperativa: o caso da “COCAMAR”. São Paulo, 1995. Tese (doutorado) – Universidade de São Paulo, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade; Departamento de Economia. MÜLLER, Geraldo. Complexo Agroindustrial e modernização agrária. São Paulo:

HUCITEC, 1989. 149 p.

RUA, João. Urbanidades no rural em um trecho da região serrana fluminense – a rodovia Teresópolis – Nova Friburgo. In: I Encontro de Grupos de Pesquisa – agricultura, desenvolvimento regional e transformações sócio-espaciais. Rio de Janeiro: 2005. I Encontro de Grupos de Pesquisa.

SACCO DOS ANJOS, F. Agricultura familiar, pluriatividade e desenvolvimento rural no

sul do Brasil. Pelotas: EGUFPEL, 2003. 374p.

SARACENO, Elena. O conceito de ruralidade: Problemas de definição em escala europeia. Seminário INEA sobre Desenvolvimento nas Áreas Rurais. Roma: 1996. Tradução de Angela Kageyama.

SILVA RODRIGUES, Vera Lúcia Graziano da.Organizações empresariais por produto: o caso da cana-de-açúcar e da laranja em São Paulo. Publicado em Cadernos do instituto de Ciências Humanas (I.C.H.), PUC – Campinas, n.8, 1998.

TEIXEIRA, Vanessa Lopes. Novos contornos ocupacionais no meio rural fluminense: um estudo sobre a pluriatividade entre agricultores familiares. Campinas, SP: [s.n.], 2009. Tese (doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Economia.

WANDERLEY, Maria de Nazareth Baudel. A ruralidade no Brasil moderno. Por um

pacto social pelo desenvolvimento rural. Em publicacion: ¿Una nuevaruralidaden América

Latina?.NormaGiarracca. CLACSO, Consejo Latino americano de CienciasSociales, Ciudad

Autónoma de Buenos Aires, Argentina. 2001. P. 30-44. Disponível em: http://bibliotecavirtural.clacso.org.ar/ar/libros/rural/wanderley.pdf. Acesso em: 01/03/2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Rev. NECAT, ISSN 2317-8523, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.